Previsão do Tempo
Tempo em
Francisco Beltrão

º | º

Beltrão não tem caso de dengue há cinco meses, mas índice de infestação é considerado alto

Publicado em

Da assessoria

Claudionei Roessler durante reunião do Comitê da Dengue: índice está acima do preconizado pelo Ministério da Saúde

Claudionei Roessler durante reunião do Comitê da Dengue: índice está acima do preconizado pelo Ministério da Saúde

Mesmo sem registrar nenhum caso de dengue desde agosto, Beltrão está com o índice de infestação alto para os padrões do Ministério da Saúde. Cerca de 3,7% das residências do município podem ter focos dos mosquito, segundo apontou o Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes Aegypti (Lira), divulgado nesta quinta-feira pela Secretaria de Saúde.

Os bairros Seminário, Luther King, Miniguaçu, Vila Nova e Alvorada registram os maiores índices de infestação de larvas, todos com mais de 10% das residências. No caso do Seminário, o índice chega a 35%. Em setembro, por exemplo, a cidade tinha um índice de apenas 0,2%.

Durante a reunião do chamado Comitê da Dengue, que reúne lideranças de várias instituições para planejar ações de eliminação da doença, o coordenador do Setor de Combate a Endemias da Prefeitura, Claudionei Roessler, alertou que ações estratégicas estão sendo realizadas nestes bairros para reduzir a infestação de larvas. “Uma constatação é que dois dos bairros mais infestados possuem usina de reciclagem, que é um ambiente muito propício à reprodução de larvas e já realizamos mutirão de descarte com os moradores”, afirmou.

Neste ano, 14 casos já foram notificados em Beltrão: seis estão descartados e oito aguardam o resultado do exame. O último caso autóctone registrado no município foi em abril do ano passado. No Paraná, já são 501 casos confirmados desde agosto.

A preocupação de Claudionei é de que o período mais crítico de proliferação das larvas ainda está por vir. “Historicamente fevereiro e março são os meses mais complicados, porque a proliferação é facilitada pela chuva e calor constantes”, afirmou. Ele ainda falou que a Prefeitura tem adotado uma prática mais rigorosa com os moradores, como a notificação e até autuação a quem propicia a proliferação das larvas.

 

Bairro

Infestação de Larvas

Janeiro/2013

Infestação de Larvas

Janeiro/2014

Jardim Virgínia

0%

0%

Jd. Seminário

8,8%

35,7%

Luther King

20%

19%

Miniguaçu

31%

16,6%

Centro

6,25%

0%

Kennedy

5,7%

6,25%

São Miguel

1,9%

3,7%

Pinheirão

9,3%

0%

Padre Ulrico

7%

0%

Industrial

4,1%

0%

São Cristóvão

6,6%

2,2%

N. Senhora Aparecida

21,4%

4,5%

Guanabara

0%

0%

Cristo Rei

4%

0%

Vila Nova

3,8%

12,5%

Alvorada

3,1%

10,2%

Cango

12,1%

3,84%

Jardim Floresta

0%

0%

Jd. Itália

8,3%

0%

Marrecas

7,6%

3,7%

Cantelmo

4,3%

0%

Sadia

0%

3,84%

Aeroporto

0%

0%

*Como o Lira é feito por amostragem e em uma quantidade pequena de imóveis, o índice 0% não significa que não exista nenhum foco de larva em determinado bairro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *